Olá, galeraa!

 

Somos a Viva Las Trips, uma agência de turismo, localizada em Porto Alegre/RS. Atuamos fortemente no segmento de ecoturismo, ou também chamado de turismo de aventura. Basicamente, todas as nossas viagens são para o meio do mato!

Você podem nos conhecer um pouco mais, clicando AQUI.

Quando falamos em viajar e explorar lugares, temos diversas opções e estilo em meio à natureza, tais como:

  • Cânions
  • Caminhadas
  • Trilhas
  • Ferrovias
  • Cachoeiras e Cascatas
  • Atividades Radicais (rapel, rafting)
  • Acampamentos
  • Trekking

As opções são vastas, então vamos sugerir alguns roteiros para vocês analisarem e escolherem para esta trip de vocês!

 

IMPORTANTE: Devido ao atual cenário de Covid-19, esta viagem pode comportar até 14 pessoas, isto é, 50% a capacidade do veículo. Todos deverão usar obrigatoriamente máscara, quando estiverem no interior do transporte e ambientes fechados. Além isso, iremos disponibilizar álcool gel ao longo do nosso dia.

Nós iremos fazer a nossa parte, fazendo-se cumprir as regras acima, mas é importante frisar que o distanciamento controlado é o melhor recurso para evitar o contágio. Portanto, é responsabilidade de cada participante evitar aglomerações (menos de 2m de distância), tirar a máscara, ter contato físico com outro participante. Juntos, conseguimos viajar, trilha, curtir a vida, e ainda fazer a nossa parte para pararmos esta pandemia.

 

VALORES: É complicado precificarmos cada viagem abaixo, neste momento de pandemia. Estas viagens custarão entre R$ 150,00 a R$ 199,00, por pessoa. (depende do roteiro)

Assim que escolherem a viagem que mais gostaram, vamos cotar e informar o valor exato por cada participante, bem como todo o roteiro detalhado e completo, com cronograma, o que incluir, e demais informações.

1 – FERROVIA DO TRIGO

A Ferrovia do Trigo é uma construção iniciada na década de 1970,  ficou popularmente conhecida como Ferrovia do Trigo. Fica localizada entre os municípios de Guaporé, Dois Lajeados, Vespaseano Corrêa e Muçum.

A “Obra do Século” – assim era chamado, pela imprensa riograndense, o ambicioso projeto da linha férrea que ligaria Porto Alegre a Passo Fundo, tendo como objetivo facilitar o escoamento da produção da região norte-noroeste para o Porto. A construção diminuiria a distancia de Passo Fundo a Porto Alegre de 680 km de estradas por 291 km de ferrovias. Inaugurada em 07 de dezembro de 1979, em comemoração aos 75 anos de emancipação do município de Guaporé, ficou popularmente conhecida como Ferrovia do Trigo.

A Obra ficou muito tempo parada por questões financeiras, foi aí que  o Primeiro Batalhão Ferroviário, vindo de Lajes, em Santa Catarina, assume sua realização e dá fim a conclusão do projeto. O nome da ferrovia foi carinhosamente posta devido às cargas de trigo, mas efetivamente é carimbada como EF-491.

 

É por lá, que está o grandioso Viaduto 13, com seus 143 metros de altura e 509 metros de comprimento. Importante ponto turístico do município do do RS.

Neste roteiro, iremos pôr o Pé nos Trilhos! Será uma caminhada de cerca de 11km, em estradas de chão e sobre trilhos, em um trecho muito especial e pouco explorada da Ferrovia do Trigo. Será uma pernada que ficará em sua memória por muitos anos, iremos passar por 8 túneis e 5 viadutos e explorar uma incrível e lindíssima cachoeira da região, escondida em meio à mata e aos viadutos.

O viaduto V13 é de fato a parte mais conhecida da Ferrovia do Trigo, mas ele não será o nosso principal foco, mesmo ele estando em nosso roteiro, logicamente!

 

1

Cascata

Iremos explorar uma cascata que está em meio à mata, escondida dentro dos vales, é possível avistá-la de longe, mas nós iremos até ela. A cascata possui cerca de 20 metros e a água fica represada, formando uma enorme piscina natural. A água tem uma linda cor esverdeada, com um cenário de pedras, que deixam um cenário lindíssimo para contemplar ou até mesmo bater lindas fotos.  O percurso é em trilha, em mata, e são  cerca de 750m até à base da cascata, tendo uma duração de 30 minutos de trilha (IDA) em áreas de barrancos, escorregadias, ultrapassagem de obstáculos, como troncos e raízes, também travessia de rio. Uma cascata pouquíssimo explorada.
2

Pé nos Trilhos, bebê

O foco deste roteiro é a pernada nos trilhos, serão cerca de 10km por cima dos trilhos da Ferrovia do Trigo, em alguns trechos pouco explorados, que passaremos por 5 viadutos e 8 túneis. Por essa razão, este não é um passeio, e sim uma indiada: serão cerca de 6 horas de Pé nos Trilhos.
3

Cereja do Bolo

Sim, vamos também levar você para a visitação ao Viaduto V13, o grandioso. Com seus 143 metros de altura e 509 metros de comprimento, ficou regionalmente e nacionalmente conhecido como importante ponto turístico do RS. Uma trip na Ferrovia do Trigo, sem o V13, não teria graça.

 


 

Esta trip possui o grau DIFÍCIL de dificuldade, isso por que faremos trilha em meio à mata para acesso à cascata, que possui grau moderado, mas cansa bastante o seu retorno.  A trilha há partes com barrancos, ultrapassagem de obstáculos, raízes, leito de rio. São Cerca de 30 minutos de ida + 30 minutos de volta. Não é uma trilha fácil, exige bastante do condicionamento físico.

Além disso, iremos percorrer cerca de 10 km sobre trilhos, isto é, caminhada encima de cascalhos, em que se caminha bem mais devagar do que em uma estrada de chão, também com chances de torções e bolhas nos pés.  Essa viagem não é um passeio, é uma INDIADA (no bom sentido) mas que ficará em sua memória, se você concluí-la. Serão cerca de 6 horas de caminhada sobre os trilhos.

 


Distância total: 11 km (aproximadamente)

Percurso/terreno: Caminhada em caminhos e por trilhas, mata semi-aberta e fechada,  declives e aclives, pontos com cabo de aço, barrancos, áreas úmidas e escorregadias, travessia de rio. Trilhos, dormentes e cascalhos. Pontos escuros (túneis), pontos altos (viadutos). Estrada de chão/areia, com carros transitando.

Exposição ao sol: 80%

Nível: Difícil

2 – RAÍZES E CORES

Se você está por aqui, é por que esta pandemia te deixou louco por uma viagem não é mesmo? Nós também estamos, e por isso, elaboramos um roteiro inédito e lindo para marcar o nosso retorno, em grandíssimo estilo!

 

Vamos te levar para visitar 2 municípios, que possivelmente você nunca ouviu falar, são eles: Candelária/RS e Novo Cabrais/RS.

Neste roteiro, você irá explorar conosco uma trilha bastante desafiadora, com muitas raízes, muita subida, muito verde e claramente, muitas fotos incríveis que irá lhe proporcionar.

 

Mas também, a vida não é só passar perrengue. Você também merece relaxar, sentar em uma grama, ouvir o barulho dos pássaros e patos nadando em um lago lindo e com espelho refletindo o céu, e com muitas cores, para ficar na sua lembrança.

 

1

Morro do Monge

Este é um lugar desafiador, possui 569m de altura em relação ao nível do mar e é considerado o morro isolado mais alto do Rio Grande do Sul. O seu acesso é por meio de trilha, em maio à mata, com subida frequente, por aproximadamente 1h, do início ao cume. O trajeto é bastante largo, porém é realmente de tirar o folego. No caminho, você se encanta com a forma desta trilha, pois ela é 80% com raízes no solo, fazendo assim degraus naturais, mas também ajudando o aventureiro nas subidas mais ingrimes, como uma espécie de grampo. Não há muitos pontos de descanso na trilha, mas é necessário realizar muitas paradas para hidratação e recuperar o folego. Ao chegar no topo, o terreno é bastante plano e tranquilo, podendo assim ser visitado 4 mirantes, ou seja, você terá diversas janelas na natureza para observação da planície do município, tendo visão ampla e periférica. Há também uma rocha no local, que é chamada de “Chaminé”, em que se assemelha a uma chaminé. Neste ponto, você também consegue visualizar a grandeza do monte, tendo uma visão lateral do seu paredão de aproximadamente 500 metros. O cerro também conta com mistérios e lendas, que serão contadas durante o nosso guiamento com você. Esta é uma trilha de nível difícil  e exigirá bastante de cada participante, até chegar no topo.
2

Bosque das Cores

Trata-se de um parque (propriedade particular) com 70 hectares de pura beleza. O percurso é por meio de um caminho de concreto em meio à mata e ao bosque, mas também com percurso em trilhas e gramados. A exploração ao parque se dá por meio de um circuíto , em que você inicia em um ponto, percorre 2km, e termina em outro. A volta completa pode durar cerca de 1h, mas com pausas para muitas fotos, descanso, contemplação, acaba demorando mais. Em maio ao caminho, você vai contemplar cerca de 2.100 espécies, entre árvores, arbustos, forrações, tanto nativos, quanto exóticas, que foram plantadas há muitos anos. Árvores que vieram da ÁSIA, Europa, Oceania e América do Norte, que hoje fazem a propriedade ter lindas cores e até mesmo, aromas da natureza. Há dois lagos para visitar durante o percurso,  o Encanto Mágico da Paz e o Espelho do Céu, com decks e lindos patinhos. Nesses lagos há também o incrível Pinheiro do Bréjo, uma árvore conífera que dá suas folhas laranjas, e com reflexo nos lagos, somam um cenário de ensaio fotográficos e books. O lugar é perfeito para descansar, ter boas conversas, contemplação da natureza e até momentos para descanso da mente e corpo.  Eai, curtiu a nossa proposta? vem desafiar-se e relaxar, em um único dia, com a VIVA!

Distância total: 5 km (somado ambos atrativos)

Percurso/terreno: Caminhada em caminhos e por trilhas, mata semi-aberta e fechada, raízes, barro, grama, calçadas.  Ambiente natural, com terrenos irregular e exigência de boa locomoção. Bom condicionamento físico, apto a caminhar e apto para atividade física. Riscos de queda da própria altura, escorregões, traumas, picadas de insetos e alergias.

Exposição ao sol: 60%

Nível: Difícil

ATENÇÃO: O nível acima está classificado desta forma, pois o atrativo natural (trilha) que será realizada no turno da manhã, é de grau difícil, com subida ingrime e desafiadora para quem não possui condicionamento físico adequado, em que o participante terá falta de ar com frequência e sensação das pernas queimarem, ao longo da subida de 1h. O atrativo da tarde (parque), é de nível fácil, sem subida e ritmo de passeio. Por conta do primeiro atrativo, este não é um roteiro adequado para crianças ou pessoas com problemas cardíacos.  

3 – TOCA DA ÁGUIA

Se você está vendo este roteiro, é por que é um aventureiro. Seu estilo de vida é explorar lugares inóspitos, fazer trilhas, conhecer novas cachoeiras. O ecoturismo cresce cada vez mais, e a necessidade em se conectar com a natureza, fica cada vez mais constante e frequente.

 

Neste roteiro, você vai vivenciar uma experiência única. Algo que talvez nunca viveu, em um lugar onde possivelmente nunca pisou. Você vai fazer um aquatrekking, irá adentrar dentro de uma fenda, onde estará dentro de um cânion, sem sinal de internet, sem infraestrutura, sem pensar em nada material: só irá viver e sentir a energia do lugar.

 

Este nosso destino, fica localizado no interior de Canela/RS. Um lugar em que o cenário se assemelha a um filme de ação, ou até mesmo se Jurassic Park.

 

1

A Toca da Águia

Este roteiro vai levar você a um lugar totalmente desconhecido, onde poucas pessoas já pisaram. A nossa aventura se inicia no município de Canela/RS, em uma localidade do interior, longe dos Foundues e zona de turistas. O nosso percurso será de caminhada em estrada de chão, trilha, e também aquatrekking (percurso dentro do leito do rio). Nesta aventura, vamos adentrar dentro de uma fenda ou cânion, onde os paredões irão de maneira gradativa afunilando até estarmos em um cenário de filme de ação: gigantes paredes na esquerda e na direita, muita mata nativa, troncos caídos, galhos, rochas, árvores raras e claro, passaremos por duas quedas d’água: a Cascata da Pedra Molhada e no fim do nosso percurso, daremos de cara com a Cachoeira da Águia. Ela possui cerca de 20 metros, possui um grande volume de água, forma uma grande piscina para banho, inclusive, com poço. Em seu topo, há então uma rocha em que dá a cabeça de uma águia, entocada dentre os altíssimos paredões. Uma aventura e uma experiência única que você viverá, em que, sem dúvida, irá ficar eternizado em sua memória.  

Distância total: 4,5 km (aproximadamente)

Percurso: Caminhada de nível difícil, por dentro do leito do rio, dentro de fendas/cânions. Percursos em área aberta, estradas,  trilhas em mata fechada,  ultrapassando pedras , galhos, e árvores derrubadas por força da natureza.

Terreno: caminhada em mata fechada (trilha) e mata aberta (caminho), com declives e aclives, por dentro de leito de rio, em área totalmente remota e de difícil acesso,   com possibilidade de encontrar animais peçonhentos, escoriações em pedras, queda da própria altura, torções e tombos.

Exposição ao sol: 60%

Nível: Difícil

4 – CAMINHADA DOS VAGÕES

Este roteiro tem o objetivo de exploração dos vales da serra gaúcha, estradas rurais, ferrovias ativas e alguns vagões abandonados que são um mistério.

Iremos caminhar trechos em estrada de chão, trechos em ferrovia, passaremos dentro de túneis, gigantes e gelados, teremos uma visão incrível do Rio das Antas, passaremos por viadutos e pontes. Parte do nosso trajeto será uma indiada por cima de trilhos.

Neste roteiro, além da indiada de 4,5km de estrada de chão, e cerca de 7km de trilhos, faremos uma degustação pra lá de especial, em uma cachaçaria, com tour e informações do processo produtivo.

Este roteiro é realizado no interior do município de Bento Gonçalves/RS!

 

1

Estrada de Chão Batido

  A nossa indiada começa andando em uma estrada de chão, serão 4,5km de caminhada, isto é, cerca de 1h percorrendo a estrada até entrarmos na ferrovia. Durante a caminhada, teremos uma visão linda do Rio das Antas e de todo o vale, o percurso será um declive, então será bastante tranquilo.
2

Viaduto

O objetivo é chegarmos ao viaduto que atravessa o rio das antas, ele é gigante e bastante extenso, encima dele, é possível ver os vales e o rio das antas, em uma formação que se dividem e e depois se juntam. Uma cenário linda para fotos.
3

Túnel

Passaremos também em um túnel, o famoso túnel em Y, em que uma das direções dá-se à Ferrovia do Vinho, hoje desativada e tomada por  vegetação e lama. Não é um túnel longo, nós o atravessaremos para seguir com a indiada.
4

Vagões Abandonados

O ponto chave do nosso roteiro, o foco será chegarmos nos vagões abandonados da Rumo, onde foram um dia largado às traças e deixados em uma ferrovia secundária, bem próxima a uma estação abandonada. Fotos encima dos vagões e dentro dos mesmos, ficam incríveis.
5

Ferrovia

Iremos percorrer cerca de 7km sobre trilhos, isto é, em uma ferrovia. O trajeto dura em torno de 3h para concluirmos. Em alguns pontos, caso você queira, pode andar na estrada que corre paralelamente aos trilhos.
6

Cachaçaria

Terminaremos o nosso roteiro em uma cachaçaria famosa da região, faremos um tour guiado pelos galpões e seremos instruídos referente ao processo de produção e armazenamento das cachaças. No final, uma degustação dos produtos e compras na loja. Serão cerca de 12 tipos de cachaças que serão degustadas, perfeito para aquecer durante o inverno.

 

Distância total: 12 km (aproximadamente)

Percurso: Caminhada de nível moderado, em terreno regular e irregular. Estrada e chão batido em área rural. Ferrovia ativa e ferrovia desativada. Túnel, viaduto. Caminhada em cascalhos ,madeiras e trilhos.

Exposição ao sol: 80%

Nível: Moderado

5 – CIRCUITO DAS CASCATAS

e você ama Cascatas e Cachoeiras, vai , sem dúvida, amar este roteiro!

A nossa aventura será nos municípios de Boqueirão do Leão/RS e Progresso/RS, duas regiões com um enorme potencial turístico quando o assunto trata-se de ecoturismo ou turismo de aventura.

São municípios pequenos, com poucos habitantes e pouquíssimos conhecidos, mas que escondem lindas quedas.

O Circuito das Cascatas foi o primeiro roteiro realizado pela Viva Las Trips, e é o nosso roteiro exclusivo.

Você vindo conosco, irá explorar 3 Cascatas na região do Vale do Taquari, sendo que nenhuma delas são cascatas famosas. Que tal então colocar mais algumas cachus no seu histórico?!

1

Primeira Cascata

A cascata possui uma queda de 98 metros, o volume de água é variável, depende se ocorreram chuvas nas cidades no dias anteriores a nossa visita. Para o acesso a ela, faremos uma trilha de aproximadamente 20 minutos em meio à mata nativa, no meio da trilha faremos a observação da flora e também teremos acesso a mirantes que dão uma ótima visão da cascata. Também há algumas placas no local que indicam a direção e os mirantes. A trilha é estruturada, porém há pedras escorregadias no final do percurso.
2

Segunda Cascata

É uma cascata de aproximadamente 3 metros, possui o acesso tranquilo e fácil.  É possível ir debaixo da queda, apesar de não ser recomendado pelo grande volume de água e bastante perigoso. É formado uma espécie de gruta no local, com interessante formação geológica.
3

Terceira Cascata

Será nosso último ponto, iremos descer do transporte e iniciar uma trilha pela mata, são cerca de 20 minutos até à base da cascata. Além da trilha, com descidas íngrimes, também iremos caminhar parte do percurso sobre o leito do rio, sendo assim molhamos os pés para conseguirmos chegar até à queda. Os paredões que possui essa cascata são bastante curiosos, muito semelhante à Cascata das Andorinhas, em Riozinho/RS. A água cai pelo meio dos paredões, quando há luminosidade e bastante volume de água, há uma fumaça formada pelas partículas d’água, deixando as fotos com outro olhar.

Terreno: caminhada em mata fechada (trilha), com declives e aclives, percurso por dentro do leito do rio, com possibilidade de encontrar animais peçonhentos, escoriações em pedras, queda da própria altura e tombos.

Exposição ao sol: 60%

O nível da trilha é totalmente relativo, para alguns pode ser considerado fácil, outros difícil. Esta viagem está mapeada como difícil, pois pessoas sedentárias podem vir a passar um trabalho e ter um grande esforço nas trilhas, pois há percursos ingrimes e vários aclives e declives. Além disso, as trilhas são curtas, mas demoram cerca de 20-25 min o trecho de Ida.

Nível: Moderado

6 – CONQUISTA DO TAJUVAS

Você que se julga aventureiro(a), precisa pôr em seu currículo este local. Vamos te levar pra explorar a Trilha dos Tropeiros, um caminho que sobe as montanhas de Morrinhos do Sul/RS e que leva ao Cânion Tajuvas.

 

O Cânion Tajuvas é uma montanha localizada em Morrinhos do Sul, um município próximo a Três Cachoeiras, Torres e Capão da Canoa/RS. O turismo no município nunca foi muito forte, e os seus atrativos, pouco conhecidos ainda. Na região, há morros, trilhas, caminhos rurais e cachoeiras.

A Trilha dos Tropeiros foi um caminho utilizado pelos tropeiros, homens a cavalo ou em mulas, que cruzavam regiões, abriam estradas e caminhos, para realizar o comércio de animais, alimentos, especiarias e principalmente o charque (carne seca). Tiveram papel fundamental para a economia dos municípios nos séculos XVII e XVIII (era colonial).

 

Além disso, fundavam vilas e comunidades, no caso da Trilha dos Tropeiros, criavam caminhos de Morrinhos do Sul aos municípios de Itati, Três Forquilhas e a comunidade de Roça da Instância. No meio do percurso, localiza-se então o Cânion Tajuvas, com sua visão ampla dos vales, morros, e litoral gaúcho, tendo em dias claros, visões profundas do oceano e também das praias.

 

1

Cânion Tajuvas

O Cânion Tajuvas é uma montanha localizada no município de Morrinhos do Sul. Muito pouco conhecido e explorado pela comunidade aventureira. Diferentemente dos famosos e queridinhos cânions de Cambara do Sul, para se chegar ao tajuvas é necessário realização de trilha e a ascensão ao cânion. O acesso é pela Trilha dos Tropeiros, um caminho que era utilizado para se atravessar as montanhas e chegar a outros municípios próximos, como Itati e Três Forquilhas. Ao chegar ao cume do Cânion Tajuvas, a recompensa fica por conta da visão panorâmica que se tem do litoral, podendo avistar os municípios de Torres/RS, Capão da Canoa/RS e até Arroio do Sal/RS. A visão é, sem dúvida, a maior recompensa que se pode ter lá de cima, no entanto irá depender das condições climáticas e atmosféricas, podendo estar totalmente limpo ou com nuvens e neblina. Mesmo que o tempo esteja fechado, o percurso da Trilha dos Tropeiros vale a pena.  O percurso será de 6,5km de Ida e 6,5km de volta, totalizando 13km de distância percorrida. Na ida, trata-se se subida, basicamente 70% do percurso, tendo assim uma ascensão de  aproximadamente 400m de altímetria. O Cânion Tajuvas contempla 2 mirantes/picos, no entanto a nossa visita será no mirante mais curto, subindo a trilha e dobrando à esquerda. Por questões de logística e distância, não será possível visitar ambos.  Sem dúvida, que chegar ao cume do Tajuvas é uma conquista, por isso o nome ao roteiro. 
Km ida: 5,0km

Km volta: 5,0km

Distância total: 10km

Tempo total de atividade: 5h 30 min

Altímetria: 901 metros de altura.

Ascensão (subida): 611m, aproximadamente.

Terreno: caminhada em estrada de chão batido com subida ingrime, trilha com troncos, pedras de grande porte e pequeno porte, áreas úmidas e escorregadias, travessia de campos e capim, podendo haver banhados.

Exposição ao sol: 70%

Subida: 70% ( no trajeto de IDA)

Nível: Muito Difícil

 

ATENÇÃO: O nível acima está classificado desta forma, pois o atrativo natural (trilha)  é de grau muito difícil, com subida constante por aproximadamente 3 horas, até chegarmos ao ponto de visão panorâmica. Por conta da subida constante e km, este não é um roteiro adequado para crianças ou pessoas com problemas cardíacos. 

Estes são então as nossas 6 propostas de roteiro para vocês analisarem e escolherem.

Aqui abaixo segue uma classificação do MAIS DIFÍCIL para o MENOS DIFÍCIL:

1 – Conquista do Tajuvas

2 – Toca da Águia

3 – Ferrovia do Trigo

4 – Raízes e Cores

5 – Caminhada dos Vagões

6 – Circuito das Cascatas

 

Vamos nos falando, até encontrar o roteiro ideal e partir para esta aventura no dia 18/07 (sábado)!

Em caso de dúvidas, podem falar conosco diretamente, clicando no botão CHAT, ao lado direito, ou questionar a Flávia.