O Ecoturismo cresce a cada ano no Brasil, isso por que o nosso país possui imenso potencial devido às nossas belezas naturais, como trilhas, cachoeiras, cânions, mirantes, diversidade de flora e fauna.

Ecoturismo ou turismo ecológico é o segmento da atividade turística que utiliza o meio ambiente como forma de atrativo turístico,  promovendo a conscientização de preservação e bem-estar.

Este ramo é também chamado turismo de aventura, pois realizar  trilhas são também consideradas uma modalidade de esporte.

A conscientização e instinto de preservação do meio ambiente são questões obrigatórias para quem ama viajar e também ama estar em meio à natureza. O turismo responsável tem grande importância sócio-ambiental, econômica e cultural. A seguir iremos te orientar com alguns cuidados e práticas para quem pratica ecoturismo.

cuide das trilhas e da natureza

  • Se você está indo a um lugar que possua trilhas já pré-definidas, o ideal é que você use-as ao invés de abrir novos caminhos. Há muita gente que tem o intuito de pegar o seu facão e criar diferentes rotas dentro da mata, mas que levam ao mesmo destino. Isso é muito prejudicial, pois você está de certa forma desmatando, atrapalhando o fluxo de animais silvestres e além disso, contribuindo para futuros trilheiros se perderem. Um exemplo disso, é as trilhas em Santa Catarina, muitas delas há bifurcações, tornando o caminho complexo para quem não pratica muito essa atividade.

 

  • Outra sugestão é você postar um facão quando estiver realizando uma trilha que não é muito convencional ou famosa. Isso por que se não há muito o fluxo de pessoas, a mata tende a tomar o  caminho e fechar a trilha. Conforme falamos acima, não é para você abrir um novo percurso, e sim manter o que já existe limpo. Assim você se ajuda, cortando galhos e plantas (na trilha) que podem te ferir ou até mesmo rasgar parte da sua vestimenta e também pensar no próximo trilheiro que estará passando pelo mesmo local futuramente.

 

Leve seu lixo consigo

A um tempo atrás, me falaram que eu deveria, como influenciador, dizer às pessoas para levarem seu lixo das trilhas, mas eu rebati, dizendo que de tão óbvio que isso era, que eu não precisava ficar dizendo. A questão é que o óbvio, sempre deve ser dito.

Com isso, lhe falo: LEVE SEMPRE O SEU LIXO EMBORA CONSIGO!

É comum todos nós levarmos alimentos para as trilhas e sobrar as embalagens, ou garrafa pet, ou saquinhos plásticos, mas é fundamental que você nunca descarte esses  resíduos na natureza, nem mesmo enterre.

Infelizmente, com frequência eu localizo lixos em trilhas, e isso me deixa extremamente triste, pois diferente da área urbana, em que há Garis ou caminhões de lixo, nas trilhas não há absolutamente ninguém que irá lá para fazer a limpeza do lugar, então por que as pessoas deixam lá?

Mesmo se houver lixeiras por perto, é recomendável que você traga de volta. Você não sabe se aquele lixo é frequentemente recolhido, muitas vezes alguém criou uma lixeira, mas não é esvaziada com frequência.

Existe uma parcela de pessoas que levam cervejas para os ambientes naturais, por incrível que pareça, essas são as pessoas que deixam lixo. Não é preconceito, nem esteriótipo, mas eu encontro muitas latinhas em meio às trilhas.

leve somente fotos e experiências

É muito comum ver pessoas querendo tirar algumas coisas da natureza, como: pedras, conchas, flores e plantas.

As plantas e flores, tem seu ciclo se vida e muitas vezes, são auto-suficientes, as pedras são marco da região, mesmo se parecem bonitinhas ou preciosas.

“Deixe somente pegadas, leve nada mais que experiências, fotos e boas energias.”

Evite fazer fogueiras

Sim, fogueiras são legais quando o assunto é acampamento, isso por que tem toda uma “vibe” e uma cultura, que combinam muito bem com marshmallow, vinho, violão e conversas aleatórias, mas também há alguns impactos, se não for bem planejado.

Fogueiras matam o solo, geram fumaça, deixam o visual alterado, além de muitas vezes causar incêndios florestais.

Para refeições, hoje existe tecnologia propícia e barata para isso: Fogareiro!

Custam relativamente barato pelo tempo de vida útil, são leves, portáteis, pequenos e quebram um ótimo galho. Além disso , o fogo concentrado de um fogareiro, irá preparar a sua refeição muito mais rápido que uma fogueira, que dispersa calor e a chama é variável.

Agora se você quer mesmo acender uma fogueira, seja por estética, ou cozinhar algum alimento, olhe bem o local onde você irá fazer, limpe o terreno previamente, faça apenas onde seja permitido e lembre-se, antes de ir embora, limpe o lugar e tenha certeza que as brasas estão 100% apagadas.

ANIMAIS SILVESTRES

Quando se faz uma trilha, você está sujeito a encontrar animais silvestres. Jamais maltrate um animal e jamais alimente esses aniamis, isso por que eles já estão acostumados de alimentarem-se com coisas que há na natureza. Você alimentando-o, ele poderá ficar acostumado com sua comida e isso irá causar uma grande mudança no sistema do mesmo.

Em meio à natureza, é muito comum encontrar animais peçonhentos, como cobras, lagartos e escorpiões. Também é extremamente comum aranhas, seja nas teias, de maneira aérea, seja no chão. Então tome sempre muito cuidado.

É muito recomendável que você use perneiras de couro, para evitar possível picadas de cobras, isso pode estragar com o seu passeio e causar sérios problemas, mas caso isso um dia ocorra, dirija-se imediatamente a um hospital da região (tem-se em média 2 a 3 horas para piorar o caso do veneno).

Caso você bata de frente com um animal, nunca mate-o ou machuque-o, saiba que é você que está invadindo o habitat dele.

PRESERVE E PENSE NO PRÓXIMO

Esses foram alguns apontamentos e dicas que são essenciais para você que ama o ecoturismo, estar em ambientes naturais, como trilhas e cachoeiras, possuem diversos benefícios, mas requer ter o conhecimento desses conceitos básicos.

Como disse no início do artigo,  o ecoturismo cresce a cada ano, em média 15 a 25%, isto significa, que cada vez mais as pessoas irão buscar explorar lugares na natureza e dependendo como é a consciência e resposabilidade desse turista, isso pode preservar ou danificar o ambiente natural.

Seja você o exemplo, faça a sua parte, preserva, cuide, divulgue com moderação, mas não esqueça que para que o atrativo natural, seja trilha, seja cachoeira, continue um lugar legal, todos nós devemos cuidar e pensar no próximo.

Você não leu errado, um trem Maria Fumaça Mallet , construído em 1920, passará pela Ferrovia do Trigo hoje, dia 29/11.  O projeto se chama “Nos Trilhos do Natal” e está sendo coordenado pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) e Rumo Logística juntamente com a Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales (Amturvales).

Maria Fumaça na Ferrovia do Trigo

A locomotiva e seus vagões passarão pelas cidades do Vale do Taquari em pontos estratégicos, os vagões estarão iluminados em alusão à chegada do Natal. O projeto visa também comemorar  a construção da Ferrovia do Trigo  que neste ano de 2018 completou 40 anos de existência. O trem poderá  também ser visto do Viaduto V13.

A passagem do trem também acontecerá nos dias 01/12 e 12/12. A intenção é mobilizar os moradores da região a ver lindo trem natalino passando. Não somente isso, mas trata-se de um projeto piloto.

viaduto v13

Há muito se discute sobre a atual situação da Ferrovia do Trigo, que basicamente não recebe grandes manutenções e muito menos turistas, devido a proibição de pedestres sobre os trilhos, ocorrida em 2017.

A ideia é fazer com que o Trem Maria Fumaça opere na região, fomentando o turismo, igualmente já acontece na Maria Fumaça de Bento Gonçalves/RS, operada pela Giordano Turismo.

programação

29/11 (quinta-feira)

-17h | Muçum

-18h30min | V13 Vespasiano Corrêa

-20h | Guaporé

1º/12 (sábado)

-15h | Guaporé

-16h | Dois Lajeados

-16h40min – V13 Vespasiano Corrêa

-17h20min | Muçum

-18h | Roca Sales

-18h40min | Colinas

-20h30min | Estrela (em Linha Wolf – Distrito Costão)

-21h | Teutônia

-21h30min | Paverama

12/12 (quarta-feira)

-19h | Colinas

-19h40min | Roca Sales

-20h30min | Muçum

A Ferrovia do Trigo possuem lindos visuais, podendo ser difundido para muitas pessoas quando o projeto estiver vigente.

Ferrovia do Trigo

As negociações continuam andando e a previsão é que em 2019 tenhamos passeios turísticos de trem ao longo da Ferrovia do Trigo.

A Ferrovia é atualmente um local onde é praticado Trekking, send percorridos 52km de Guaporé/RS a Muçum/RS e vice-versa. Com a oficialização desse serviço turístico na região, provavelmente será intensificado a proibição de pedestres sobre os trilhos.

Ganho por um lado, perda por outro. Mas o que importa é que a grandiosa obra militar estará sendo utilizada e não abandonada.

A Trilha da Lagoinha do Leste fica localizada na parte sul da ilha, a praia é acessível por duas formas: barcos ou trilha. A melhor forma? certamente é via trilha e há duas trilhas que dão acesso: via Matadeiro e via Pântano do Sul.

Via Pântano do Sul: A trilha dura cerca de 1h30min, mas bem cansativa devido às subidas que possui. A parte boa é que possui estrutura, isto é, escadinhas durante várias partes do percurso.

Via Matadeiro: A trilha dura cerca de 3h e não possui metade da infraestrutura comparado via Pântano. A parte boa, é que é a trilha mais linda de Florianópolis, na minha opinião. Certamente vale a pena você optar por esse caminho. Nós fizemos a trilha via Matadeiro e vamos compartilhar algumas fotos para você ficar ciente e motivado a também optar por esse caminho.

É recomendado que você vá com os equipamentos adequados como mochila, bota, chapéu, repelente, protetor solar, lanche e água, por mais que haja vertentes ao longo do percurso.

Vale a pena a Trilha da Lagoinha do Leste?

Sem dúvida, esta é uma trilha que precisa estar no seu currículo de trilhas. As paisagens que se encontra durante o caminho, as fotos que rendem e a praia que você acessa, vão ficar pra sempre marcados em sua memória.

Sugestão: Indico demais que vocês façam essa trilha em formato de travessia: comecem via praia de Matadeiro, cheguem até a Lagoinha do Leste e retornem via Pântano do Sul. Assim vocês não irão voltar pelo mesmo lugar e conhecem ambas as trilhas de uma única vez.

Caso você tenha ido de carro e estacionado na praia da Armação, não tem nenhum problema, quando você chegar no Pântano do Sul, logo depois da saída da trilha, você avistará a parada de ônibus, só embarcar e descer na Armação, dura cerca de 15 minutos!

Ida via Matadeiro

Nossa aventura começou pelas 10h, estávamos eu e a Ritieli, tiramos 5 dias para ficar na ilha e estávamos sem carro e acredite, é possível fazer tudo de ônibus e sem grandes dores de cabeça, só ter a tabela de horário e saber quais linhas pegar.

Havia marcado de encontrar minha família na praia da Armação, eles vieram de Porto Alegre e chegaram direto para fazer a trilha. Estava um dia lindo e bastante quente, inclusive.

Atravessamos toda praia da Matadeiro e a trilha começa no fim dessa praia, encima de uma calçada com algumas casas.  O caminho de concreto é bem curto, em seguida começa efetivamente a trilha.

Irá ter algumas bifurcações ao longo desse primeiro caminho, é importante você saber que nas bifurcações, você deve pegar a trilha da DIREITA. O outro caminho é alternativo e leva para os barrancos do morro, não aconselho.

Muitos caminho da trilha são em mata fechada, que por sinal é bem bom devido ao forte calor que é no verão, mas também há muitos momentos que você está exposto ao sol e por isso é muito importante você “ensopar-se” de protetor solar.

A melhor parte da trilha é lá pelas 2h, quando você chega no costão, um visual incrível e uma visão 360º que te faz perder o folego. Você está já a nível alto mar e a água é azul, você enxerga de bem longe a praia e quando olha pra frente, vê morros gigantes e muito convidativos a você chegar no topo.

Trilha da Lagoinha do Leste

O momento mais especial da trilha é neste parte: A vista para a Lagoinha do Leste. Esse é o auge da trilha, é onde você muda totalmente o seu visual e tem uma visão incrível da praia, da lagoinha de água doce e dos morros. Neste momento é uma boa hora de sentar, comer algo, hidratar-se e bater muitas fotos!

Trilha da Lagoinha do Leste

Lagoinha do leste

Como dizem, é uma praia incrível e muito preservada devido ao seu acesso ser um pouco mais difícil que outras trilhas.  A água do mar é bastante gelada e possui bastantes ondas. Uma ótima opção é aproveitar a lagoa e tomar um banho , ela não é funda e considerada bem extensa. Ao lado da lagoa, muita gente acampa no meio dos arbustos e árvores, é um dos poucos lugares da praia que possui sombra.

Uma dica: Quando você estiver descendo para a areia, logo no fim da trilha, há uma bica (água de vertente) onde você pode reabastecer suas garrafas d’água.

Você vai caminhar pouco e logo se deparará com a lagoa de água doce, vale a pena um banho nela, apesar de às vezes estar bem gelada a água.

Morro da coroa e pedra do surfista

Muita gente procura a Lagoinha do Leste devido a esse lugar: o Morro do Coroa e as famosas fotos na Pedra do Surfista. No instagram é o que mais se vê, só que muita gente não sabe como é para chegar nesse incrível pico, só sabem que querem ir.

O início da trilha não é identificado por placa, então é um pouco no “achometro”, talvez você encontre alguém subindo também ou descendo e isso facilita para encontrar onde é.

O que eu posso lhe adiantar é que não é uma caminhada, é uma escalada. O morro mais ingrime que subi na minha vida, demora cerca de 30 minutos para você chegar no topo, e esse tempo é totalmente relativo, pois você precisara parar muitas vezes para entrar ar no seu pulmão, tomar água e continuar.

Diversos pontos você terá que usar ambas mãos para conseguir subir, e muita força na perna é algo obrigatório para você ter êxito.

Todo esforço vale a pena assim que você chega no cume, olhar a praia de outro ângulo e descansar naquele lugar, com uma visão panorâmica que você nunca viu antes.

Trilha da Lagoinha do Leste

E claro, você é obrigado a tirar uma foto na Pedra do Surfista , uma pedra linda e comprida que rende fotos incríveis. Também há várias outras pedras  que ficam legais nas fotos, mas como estávamos cansados e com pouco tempo, ficamos somente nessa.

Como qualquer ponto turístico, se você for em um feriadão ou final de semana, provavelmente terá uma fila para você pisar nessa pedra!

Certo! você subiu, teve aquela visão 360º e bateu muitas fotos nas pedras! Agora tem que descer e vem cá, que descida hein!!! Se você tropeçar, capaz de sair rolando.

 

Até a descida desse morro tem que tomar cuidado, pois escorrega bastante os pés no areião e algumas pedras podem estar soltas.

 

Também terá que usar uma força nas pernas para trancar o peso do seu corpo, senão ele vai pra frente como num passe na mágica.

ESTRUTURA

A praia não possui banheiro, muito menos restaurante. O que há por lá é um quiosque que vende algumas bebidas e comidas. Bom, melhor do que nada né, a questão é que o valor é um pouco salgado… mas também, entendemos que é difícil ter um “negócio” nessa praia, pela logística.

Nós compramos uma água para poder começar a segunda parte da trilha, já que ir até a bica, lá no pé do morro do outro lado, seria gastar uma energia que nós nem tínhamos mais.

Ah, e caso você estiver bastante exausto com todo esse passeio, muitas vezes existem pescadores que fazem o retorno das pessoas de barco. É uma opção caso você precise.

O RETORNO - VIA PÂNTANO DO SUL

Tudo muito lindo e maravilhoso, mas tem que ir embora. Há duas opções: via Matadeiro ou via Pântano do Sul. Eu recomendo fortemente que você volte pelo Pântano por alguns motivos:

  1. Mais próximo
  2. Menos tempo
  3. Mais estrutura (há degraus de madeira e alguns bancos)
  4. Há sinalização

Mas também preciso ser sincero e te contar a parte negativa: MUITA SUBIDAAAA!! Se você optar, assim como eu, de conhecer o Morro da Coroa, suas pernas estarão exaustas e essa subida via Pântano, vai acabar com suas pernas.

Não desanime, você sobe sobe sobe, depois desce e logo logo estará próximo a parada de ônibus para ir até seu carro que estará na Armação.

Trilha da Lagoinha do Leste

Como toda e qualquer trilha, há esforço físico, há cansaço, há alguns arranhões e dores, mas compensa cada minuto que você estiver nesse paraíso.

Quando você postar suas fotos, usa a nossa hashtag: #vivalastrips, que iremos divulgar sua aventura em nosso instagram!

Pouca gente houve falar do município de Santa Maria do Herval/RS, mas nessa cidade há diversas belezas naturais, ao todo são quatro quedas d’água e uma delas  é a Cascata Marcondes e dela que falaremos a seguir.

Detalhes sobre a Cascata Marcondes

Localizada há 10 km da cidade e cercada por mata nativa, a cascata possui cerca de 35 metros. Para o seu acesso é necessário realizar uma trilha e seguir o leito do rio. 

O acesso é por meio de uma propriedade particular  ou é possível avistá-la  de longe da estrada de chão (Estrada da Boa Vista), inclusive é onde no Google Maps ela é sinalizada.

cascata marcondes

Operadora de turismo

A melhor maneira de você explorar essa cascata e inclusive fazer um rapel nela, é contratar o pacote da agência Trilhas do Sul

O roteiro se chama Noite na Cabana. Vivenciamos a experiência do roteiro e vamos contar um pouco como foi.

Embarcamos pelo transporte da empresa em Porto Alegre às 07h e o percurso até a região são cerca de 1h e 30 minutos. Por ser um roteiro de fim de semana, no sábado  é realizada uma caminhada pelas estradas da região até o ponto que se vê a Cascata Marcondes de longe. Também no mesmo dia é realizada uma  trilha pela em mata fechada, em que é necessário bastante cuidado com animais peçonhentos e por ser descida de barrancos até o leito do rio, de lá seguimos costeando e transpondo obstáculos, há diversas piscinas naturais e pontos para tomar banho. Mas o prêmio é só no final, então seguimos em frente até chegar no nosso objetivo: A Cascata Marcondes.

cascata marcondes

O lugar é perfeito para tirar ótimas fotos e até mesmo um banho. Então no primeiro dia conhecemos bem a cascata e curtimos a paisagem, as trilhas e as pessoas. O lugar fica em meio a mata nativa e naquela ocasião é impossível pensar nos problemas ou nas demandas que temos, apenas a contemplação da natureza e ouvir o barulho da água, essas experiências não tem preço.

cascata marcondes
cascata marcondes

Bem próximo a Cascata Marcondes, há uma cabana bastante rústica e com quarto coletivo, cozinha, banheiro, sacada e uma grande área com uma mesa e fogão campeiro. Após nos estalarmos, o dia já havia valido a pena pela aventura que tivemos em relação às trilhas, banho e caminhadas, mas a noite nos esperava um delicioso jantar: entreveiro no pão, feito no fogão campeiro. Alguns companheiros de aventura foram de vinho e alguns foram de cerveja bem gelada. O papo estava rolando e a galera interagindo bastante, mas todos sabíamos que no domingo o bicho ia pegar.

cascata marcondes

Acordamos no domingo bem cedo, tomamos um café da manhã caprichado com direito a pães,frutas, nega maluca, queijo colonial e um café preto para espantar o sono. 

cascata marcondes
Andressa, Sabine, Vagner, Guilherme, Ritieli e Mateus

Após o café, começamos a colocar os neoprenes e nos prepararmos psicologicamente para a descida de 35m de rapel na cachoeira. Instruções foram passadas, o rapel foi montado pela equipe da Trilhas do Sul, a coragem foi vindo aos poucos e o pânico vinha acompanhando. 

cascata marcondes

Era meu primeiro rapel, então por natureza o nervosismo já estava me dominando, as pernas tremendo e pensando: será que vou conseguir? Nunca tive medo de altura, mas eu olhava para baixo e parecia sinistro a força que a água caia. Não era um rapel comum no seco, era um cachoeirismo ou cascading, como alguns chamam. Devido à situação não estar muito favorável, resolvi ser o primeiro a descer, o instrutor Vagner me acompanhou na descida e foi me conduzindo, dizendo onde era para pisar, como eu devia me posicionar na cadeirinha, e me passava confiança a cada momento, a cada passo que eu dava. Era necessário naquela hora acreditar nas instruções, não ligar com a água batendo na cara e permanecer firme. Infelizmente, não há como ser muito firme com a queda d’água te jogando para um lado e para o outro,a mão cansava de travar a corda, o pé escorregava muito, mas com garra consegui chegar até o final e nadar até as pedras. Confesso que cheguei tremendo, mas a experiência foi incrível. Eu e a Ritieli fomos guerreiros e concluímos o nosso desafio com sucesso.   

cascata marcondes
cascata marcondes
cascata marcondes
Mateus, Ritieli, Vagner, Sabine, Tiago, Guilherme e Harry
cascata marcondes

Hoje percebo o quão importante é fazer uma atividade vertical com pessoas qualificadas e que te passam confiança. Além disso, tenha habilidades de resgate, de primeiro socorros e que sabem se posicionar em momentos difíceis, em especial, quando bate o medo.

Pré-requisitos

Não é necessário ter experiências anteriores com trilhas ou rapel, se você for com a empresa citada acima, eles vão ensinar  e ajudar em tudo para que você tenha a melhor experiência possível do lugar. Atualmente é realizado um rapel guiado na Cascata Marcondes, devido a questões de segurança. 

O único pré-requisito que é necessário é sair da zona de conforto. Sem dúvida que será um final de semana inesquecível. 

 

Empresa recomendada

Trilhas do Sul – Turismo de Aventura
http://www.trilhasdosul.com.br/

trilhasdosulaventura@gmail.com

(51) 98200-4181 (Tim)

Você já deve ter ouvido falar no Parque das 8 Cachoeiras, em São Francisco de Paula/RS, porém talvez não da Trilha das Gêmeas Gigantes. A trilha dá acesso a Cachoeira das Gêmeas Gigantes e é a mais alta cachoeira do parque e uma das mais altas do Rio Grande do Sul. 

O Parque das 8 Cachoeiras é um lugar privilegiado com 130 ha de mata atlântica virgem intocável, com vales, cerros e cachoeiras, além de uma enorme variedade de animais silvestres. Localizado em um ponto estratégico. Localizada a 2,5km do lago São Bernardo.

Trilha das Gêmeas Gigantes?

Quando se escuta esse nome não se entende muito do por quê, só cai a ficha quando se chega até a cachoeira e se espanta pelo seu tamanho. Para falar a verdade, ela é tão gigante que é quase impossível conseguir tirar uma foto dela inteira, mesmo deitando-se no chão. Mas o nome foi dado pelo fato da cachoeira ter 2 feixes de água que caem paralelamente, como se fossem 2 quedas.

 

Trajeto

Saímos de Porto Alegre pelas 06h10min, fomos pela RS-020 que apesar de ter mais curvas, não se paga pedágio e é mais perto. Chegamos em torno das 08h35min no nosso destino. O parque conta com um grande estacionamento. Estacionamos próximo aos banheiros, ali já trocamos de roupa, passamos repelente e protetor solar e começamos nossa caminhada. 

Início da Aventura

O início da trilha é bem tranquilo, com bastantes placas, aberto, porém começamos a descida levemente. O caminho é o mesmo para a Cachoeira do Quatrilho. Sempre notamos a presença das placas nesse início, a sinalização do parque é muito boa. 

trilha das gemeas gigantes

Na Trilha das Gêmeas Gigantes, vemos que o caminho é todo auto-guiado, isto é, não é obrigatório a presença de uma guia, apesar de ser recomendado caso você não seja muito experiente em ambientes outdoor. 

Existem marcações amarelas por todo o caminho, em muitos momentos elas aparecem em pedras, muitos outros ela aparece nas árvores. Então, basta você ir seguindo a trilha e as sinalizações amarelas pelo caminho. 

Trilha das Gêmeas Gigantes

Para evitar que o trilheiro se perca, há flechas que indicaram o caminho a seguir, também prezando pela segurança, há uns arames, escadas, cabos para apoiar-se nas descidas mais ingrimes ou até mesmo no retorno, já que a volta é mais complicada pela desgaste físico. 

Durante a trilha , há muitas pedras soltas e lisas dando grandes chances para um resbalo ou queda, então é muito recomendado que você vá com uma bota de trilha, pois a bota possui travas no solado e  cano alto, evitando uma possível torção no tornozelo.

Trilha das Gêmeas Gigantes

Há diversas cascatas durante o caminho, perfeitamente posicionadas para uma pausa para beber uma água e tirar umas fotos. 

Trilha das Gêmeas Gigantes

Importante salientar que na Trilha das Gêmeas Gigantes  molha-se os pés, e muito na verdade, pois são aproximadamente 22 travessias no rio Malakow e em algumas vezes a água chega na altura do joelho. Antes que você se apavore, não é igual a Trilha do Rio do Boi, pois o nível do rio de maneira geral é baixo e pouca correnteza. Mas há momentos que é necessário caminhar por dentro do rio, pois são partes que não há trilha nas margens, por terra.

Fomos durante o verão, dia 21 de Janeiro de 2017, e aproveitamos muito as piscinas naturais durante a trilha e a própria cachoeira. Um ponto positivo da cachoeira, é que ela é rasa, então propicia muita gente a banhar-se na sua água, mas como qualquer cachoeira, é bem gelada. Uma foto de baixo da queda d’água fica sem dúvida incrível. 

Trilha das Gêmeas Gigantes

Falando sobre a queda, é mais fácil e seguro ir até de baixo da queda, inclusive, eu recomendo você deitar naquela pedra e sentir a água, é revigorante!

Trilha das Gêmeas Gigantes

Vai perder de conhecer uma cachoeira de 98 metros de altura em meio da mata nativa? Programe-se e faça a Trilha das Gêmeas Gigantes! 

Dados importantes

Tempo

O tempo é muito relativo, depende do tamanho do grupo e das condições físicas de cada trilheiro. Mesmo assim o tempo aproximado de duração é de 5h30min de caminhada, ida e volta.

Distância

São cerca de 7,5km de trilha, sendo ao total 15km, ida e volta. Por esse motivo, não é permitido o início da trilha após às 12h00min.

Nível

Esta trilha é de nível 5 pelo parque, isto é, considerada difícil e não é recomendada para pessoas sedentárias, idosos e problemas cardiorrespiratórios.

Ingresso

O valor individual para visitação ao parque atualmente está em R$ 20,00.

Hospedagem

É possível hospedar-se em chalés ou na área de camping.

Aventura

O parque possui tirolesa, arvorismo, parede de escalada e rapel.

Se você achou este artigo pelo Google, certamente está interessado(a) em conhecer a Cascata do Moinho, localizada em Progresso/RS. É uma cascata fantástica, a seguir vamos lhe falar algumas informações e detalhes para você realizar esta trip.

Informações da Cascata do Moinho, em Progresso/RS

A Cascata do Moinho é mais uma cascata que entra pro rol de mais altas do Rio Grande do Sul, ela possui cerca de 98 metros de altura e conta com um imenso paredão, onde a água cai escorrendo ou até uma queda livre, dependendo do volume de água.

Essa cascata possui esse nome pelo fato de haver um moinho que funcionava há alguns anos, e esse moinho é possível ainda ser visitado e enxergado. Ele fica na parte alta da cascata, onde há uma placa de orientação, você faz uma pequena trilha e já chega ao moinho abandonado.

Cascata do Moinho Progresso
Cascata do Moinho Progresso

Há duas formas de se chegar a essa cascata: a forma gratuita e a forma paga. Vamos aqui dizer sobre ambas.

 

A forma gratuita, é por uma propriedade privada de um agricultor, indo pela estrada de cima, passando por cima de uma porteira e descendo em direção ao rio e seguindo o leito até a queda. Moradores locais indicam que muita gente vai por ali e que não há problema. Na primeira vez que fui, testei esse caminho, passei por um agricultor que estava dentro da lavoura, mas ele nem me deu bola e deixou eu passar. A questão é que esse acesso é um pouco arriscado, por ser propriedade privada e também por que há muita lama dentro desta propriedade.

A segunda forma, é pelo Sitio Campiol (basta pôr no GPS). Chegando ao sítio, é cobrado um valor de R$ 5,00 para visitação e realização da trilha. É uma trilha bastante cuidada, pois é a entrada oficial a cascata, inclusive, usado pelas empresas de turismo.

Eu sugiro fortemente que você escolha ir pelo sítio Campiol, os proprietários são super gente fina, é uma trilha aberta e bem cuidada, há banheiro no local, há área para estacionar o veículo e assim você ajuda os moradores a manter a trilha cuidada, através dessa pequena ajuda de custo.

Cascata do Moinho Progresso

A Cascata do Moinho não represa a água, infelizmente. Então não é propícia para banho, mesmo assim, vale muito a pena sua visita. Quando você parar no lado dela, vai se sentir uma formiga, de tão grande que ela é.

Ela é sem dúvida a maior queda de Progresso, mas também possui uma observação:

Ela geralmente possui pouco volume de água, então pode ser que você veja as nossas fotos ou fotos na internet e se deslumbre, mas como toda e qualquer cascata, vai depender das chuvas em dias anteriores para ela estar linda ou não tão linda.

Cascata do Moinho Progresso

O local é público ou privado?

Como mencionado acima, há 2 formas de chegar. Mas eu recomendo que vá pelo Sítio Campiol, é o melhor caminho até à base.

Quanto custa?

Caso optar pelo sítio, paga-se R$ 5,00 para acesso a cascata.

Tem que fazer trilha e como é?

Sim, é necessário. A trilha tem menos de 1 km, mas passa por alguns trechos complicados e um pouco escorregadios, inclusive, próximo ao leito do rio. A trilha dura em média 20 minutos (ida).

Cascata do Moinho Progresso

localização

Agora preste atenção, que a dica é o Pulo do Gato!!

 

Não coloque no GPS: Cascata do Moinhos – Progresso/RS, se não ele vai te levar para o topo da cascata, o que é inútil.

 

Coloque Sítio Campiol, que daí sim você economizará tempo e gasolina. Vai por mim! 🙂

Além deste atrativo, tem algum outro lugar para ir em Progresso ?

Sim, há também a Cabanha Leite, que é uma propriedade particular que há trilhas e um lugar bacana para você pesquisar. Mas além disso, o município de Boqueirão do Leão possui diversas quedas, e é pra lá, que eu sugiro você ir caçar mais cachoeiras! Te sugiro a Cascata do Gamelão 🙂

Este artigo foi útil para você?

Compartilhamos dicas e novos destinos para você explorar pelo Sul (RS,PR,SC).

Segue a gente no Instagram @vivalastrips, e fique por dentro de novos lugares para você pôr em sua listinha de viagens!

QUEM SOMOS

Somos uma agência de viagens localizada em Porto Alegre/RS  e  as nossas trips são focadas em trilhas e cachoeiras, o que chamamos hoje de ecoturismo ou turismo de aventura.  Os nossos roteiros são exclusivos e para lugares em que poucas pessoas conhecem. O nosso diferencial também é formar grupos pequenos, para você além de conhecer um lindo lugar, também interagir com os outros passageiros e fazer novos amigos.  Explore novos horizontes, invista em você, e venha viajar com a gente!

Se você achou este artigo pelo Google, certamente está interessado(a) em conhecer o Grutão dos Índios, localizado em Caxias do Sul/RS. É uma cachoeira e uma gruta fantástica, a seguir vamos lhe falar algumas informações e detalhes para você realizar esta trip.

Informações do Grutão dos Índios, em Caxias do Sul/RS

O Grutão dos Índios fica localizado no interior de Caxias do Sul, muito pouco explorada ainda a nível regional. É considerada um ponto turístico do município, isso por que há placa indicativa na entrada  do acesso do atrativo. O local é perfeito para você ir passar o final de semana ou até mesmo um dia, muita gente visita o grutão no período de verão, mas fica aberto o ano inteiro.

A gruta é, ao meu ver, a maior de Caxias do Sul, isso que já visitei todas as grutas do município. Ela é realmente imensa, possui cerca de 20 metros de altura. A cachoeira também possui o mesmo tamanho, aproximadamente, e é realmente muito linda.

Somando o visual da gruta com a cachoeira, ela é uma das paisagens mais lindas que já vi.

Grutão dos Índios

A história dos índios é sempre intrigante, o nome da cachoeira e da gruta foi dado pelo fato do local ser habitat dos índios bugres a centenas de anos atrás.

Os índios utilizavam as grutas para abrigar-se do frio, das chuvas, das tempestades, dos animais. Era um local seguro para ficarem no período de inverno.

Grutão dos Índios

A base da cachoeira não é muito propícia para acampar, há muitas pedras e nada de grama. A propriedade possui locais apropriados caso você queira acampar, nesses locais, há grama, área pro veículo e até algumas churrasqueiras.

Todos amam ir em cachoeiras no período de verão (janeiro e fevereiro), mas eu lhe digo: o lugar lota! Então, recomendo que você visite o Grutão dos Índios em outras épocas do ano, em dezembro, por exemplo, é praticamente vazio. Em janeiro, quando fomos, era muita gente, e você deve saber né, famosa farofada de quem vai nas cachoeiras para assar carne e tomar cerveja.

O local é público ou privado?

O Grutão dos Índios fica em uma propriedade particular, isto é, logo na chegada, há pessoas lhe cobrando o ingresso para acesso à propriedade e a base da cachoeira.

 

Nem pode se dizer que pe cobrado ingresso né, não é dado nenhum papel ou recibo, apenas é cobrado o dinheiro.

 

 

Grutão dos Índios

Quanto custa?

O valor para acessar é de R$ 8,00 por pessoa (valor cobrado em 13/01/2019).

Pouquíssima infraestrutura, os banheiros são bastantes simples e possuem somente três.

Não há área de estacionamento, então os carros ficam encima de um gramado, sem nenhuma sinalização de espaço.

Há um galpão, onde há algumas mesas para você fazer algum lanche. Junto a esse galpão, há um mini barzinho que vende salgadinhos, bolachas, pastéis, água, refri, cervejas.

Não há placas indicativas da trilha, não há corrimão, corda ou cabo de aço.

Não há lixeiras na base da cachoeira, nem ao longo da trilha.

Não há salva-vidas, nem placas orientando sobre a profundidade, muito menos boias sinalizadoras.

 

Bem, tratando-se de um local pago, verificamos que falta bom-senso e investimento em um grande atrativo do município com imenso potencial turístico.

Precisa fazer trilha para acessar?

Sim, é necessário fazer uma trilha para ir até a base da cachoeira/gruta. A trilha é de nível fácil, com duração de cerca de 10 minutos, indo bem devagar. Há pontos escorregadios bem próximo a queda, devido à umidade do local e partículas d’água.

Sendo assim, muito cuidado nesta parte final de trilha.

Grutão dos Índios
Grutão dos Índios
Grutão dos Índios

localização

Não há mistério: basta você pôr no seu GPS o nome do local: Grutão dos Índios, e você terá facilmente a rota até o atrativo.

Se você vai do centro até o Grutão dos Índios, há asfalto até a metade do caminho, onde há uma igreja de esquina, com placas. Após dobrar-se à direita, começa a estrada de chão.

ONDE ALMOÇAR?

Caso você seja o mesmo estilo de aventureiro que eu, vai pensar em levar algum sanduíche e comer aos pés da cachoeira, apreciando a queda.

Se você gosta de comer bem, em um local com infraestrutura, sentado, numa mesa, eu te dou indicação de um lugar: O Café e Bistrô do Gringo, fica localizado a uns 500 metros do Grutão dos Índios e por mais que tenha esse nome, eles servem almoço.

O negócio deles é estilo almoço italiano, isto é, talvez não seja tão acessível quanto a sua percepção, mas você come muito bem.

Como fomos de grupo, combinamos um almoço por R$ 30,00, e eles prepararam um cardápio de frango, polenta brustolada, salada e macarrão. Mas foi um acordo feito com o Gringo (proprietário do local). Para almoços avulsos, eles já tem um banquete padrão, com um valor um pouco mais alto. Vale a pena você dar uma ligada e ver se consegue negociar algum cardápio ou tirar dúvidas sobre o que contempla o cardápio padrão deles.

Café e Bistrô do Gringo
Café e Bistrô do Gringo

Contatos: 54 996050676 ( Ricardo) / 54996280073 (Denise – whats)

Além deste atrativo, tem algum outro lugar para ir em Caxias do Sul?

Com certeza! Se você curtiu as informações destas artigo e busca ir em outras grutas da região, lhe recomendo dar uma olhada pesquisada, que você irá encontrar outros pontos lindos para visitar.

Este artigo foi útil para você?

Compartilhamos dicas e novos destinos para você explorar pelo Sul (RS,PR,SC).

Segue a gente no Instagram @vivalastrips, e fique por dentro de novos lugares para você pôr em sua listinha de viagens!

QUEM SOMOS

Somos uma agência de viagens localizada em Porto Alegre/RS  e  as nossas trips são focadas em trilhas e cachoeiras, o que chamamos hoje de ecoturismo ou turismo de aventura.  Os nossos roteiros são exclusivos e para lugares em que poucas pessoas conhecem. O nosso diferencial também é formar grupos pequenos, para você além de conhecer um lindo lugar, também interagir com os outros passageiros e fazer novos amigos.  Explore novos horizontes, invista em você, e venha viajar com a gente!

Se você achou este artigo pelo Google, certamente está interessado(a) em conhecer a Cascata do  Gamelão, localizada em Boqueirão do Leão/RS. É uma cascata fantástica, a seguir vamos lhe falar algumas informações e detalhes para você realizar esta trip.

Informações da Cascata do Gamelão, em Boqueirão do Leão/RS

A Cascata do Gamelão é a principal cascata que encontra-se em Boqueirão do Leão, ela não é a única, mas pelo fato de ser próxima do centro do município e não ser tão difícil acesso, é a mais visitada. Mesmo assim, não o quanto deveria.

O nome foi dado devido à piscina natural que é criada na cascata, formando uma espécie de gamela gigante. A água é turva, ou seja, bem escura, isso não mostra muito bem os pontos que são rasos e os que são fundos, e por conta disso, não é muito propícia para banho, a menos que você saiba nadar.

Cascata do Gamelão - Boqueirão do Leão

É altamente recomendável que nesse tipo de cascata, você use um colete salva-vidas, para evitar qualquer problema.

A Cascata possui cerca de 20 metros de altura, e o volume de água, é relativamente pouco.

Importante citar, que a Cascata do Gamelão, oficialmente é essa que vocês veem em foto, mas possuem duas cascatas: uma do lado esquerdo, quando você chega, possuindo cerca de 7 metros, e o gamelão, do lado direito.

Infelizmente o município de Boqueirão do Leão não investe muito em turismo, inclusive, existia uma ponte que cruzava o rio para se chegar a essa cascata, porém com as fortes chuvas e o aumento do nível d’água, a ponte foi ao chão e hoje é necessário que você cruze o rio, o que pode ser bem perigoso , conforme a sua experiência com esse tipo de atividade.

O rio é raso, então é tranquilo. A ressalva é se estiver com muito volume de água, aí eu não recomendo.

Cascata do Gamelão - Boqueirão do Leão

O acesso é relativamente rápido, porém há alguns riscos que iremos contar a seguir.

O local é público ou privado?

Conforme encontra-se no site do município, faz parte de uma propriedade privada :  51 9 8906 3917 com Cleonir ou Edimara de Freitas.

Mesmo assim, o acesso é livre à cascata, já fomos 2 vezes e nunca fomos barrados, até por que não há cerca ou meio que impeçam das pessoas passarem.

O bom-senso deve imperar: leve o seu lixo embora, pois o local não possui lixeiras (com exceção de uma que está um pouco longe da cascata), também não possui infraestrutura nenhuma, como todo local gratuito.

Quanto custa?

Não é cobrado nenhum valor para acessar.

Tem que fazer trilha para acessar?

Não é bem uma trilha, é um caminho aberto e largo que leva até o rio, depois desce uma escada com poucos degraus e posteriormente uma escada com as pedras do próprio ambiente.

Você deverá cruzar o rio, recomendo que você sente na borda da pedra (ela possui cerca de 80cm) e encoste os pés no chão, e atravesse o rio. Como havia dito, ele é raso, mas olhando de cima, parece fundo e bate até um medo. Após atravessar, pegue o caminho da direita, encostado ao paredão e vá seguindo, cerca de 1 minuto, você chega à Cascata do Gamelão.

Cascata do Gamelão - Boqueirão do Leão

localização

A Cascata do Gamelão está mapeada no GPS, então basta você pôr no Google Maps e seja feliz.

Uma dica: deixe o seu carro ao lado da casa que há no fim da estrada, pois depois você pode não conseguir manobrar o  veículo e não terá local para estacionar.

O caminho é um pouco assustador, pois passa apenas 1 carro por vez, em meio a uma lavoura, mas é o caminho certo. Só ir até o fim.

Além deste atrativo, tem algum outro lugar para ir em Boqueirão do Leão ?

Simm, Boqueirão do Leão tem vários locais: Perau da Nega e Cascata Fischer são exemplos. Uma dica: a estrada que leva a Cascata Fischer, está em péssimas condições. Se o seu carro for baixo (carro popular), não vá. Uma que indico é a Cascata do Trovão.

Este artigo foi útil para você?

Compartilhamos dicas e novos destinos para você explorar pelo Sul (RS,PR,SC).

Segue a gente no Instagram @vivalastrips, e fique por dentro de novos lugares para você pôr em sua listinha de viagens!

QUEM SOMOS

Somos uma agência de viagens localizada em Porto Alegre/RS  e  as nossas trips são focadas em trilhas e cachoeiras, o que chamamos hoje de ecoturismo ou turismo de aventura.  Os nossos roteiros são exclusivos e para lugares em que poucas pessoas conhecem. O nosso diferencial também é formar grupos pequenos, para você além de conhecer um lindo lugar, também interagir com os outros passageiros e fazer novos amigos.  Explore novos horizontes, invista em você, e venha viajar com a gente!

Se você achou este artigo pelo Google, certamente está interessado(a) em conhecer a Cascata do Trovão, localizada em Boqueirão do Leão/RS. É uma cascata fantástica, a seguir vamos lhe falar algumas informações e detalhes para você realizar esta trip.

Informações da Cascata do Trovão, em Boqueirão do Leão/RS

Começamos a falar da Cascata do Trovão e aí já existe uma controvérsia: alguns dizem que fica em Canudos do Vale/RS, outros, que fica em Boqueirão do Leão/RS. Na minha opinião, baseado no registro de limitação de municípios pelo google, ela pertence a Boqueirão.

A Cascata do Trovão é uma queda muito pouco conhecida e muito pouco divulgada, mesmo havendo placa de indicação para acesso, provavelmente posta pelo município. Mas ninguém a divulga muito. Isso até é positivo, pois senão seria muita gente no local jogando lixo, como de praxe acontece.

Mas você que é aventureiro e é uma caçador de cachoeiras, assim como eu, precisa ler este relato para se planejar e ir visitar.

Cascata do Trovão - Boqueirão do Leão

A Cascata do Trovão tem aproximadamente 15 metros, a água cai em meio a doi lindos paredões, com o visual muito semelhante à Cascata das Andorinhas, em Rolante/RS.

A água fica represada, propiciando um ótimo banho. Mas cuidado né, há bastantes partes fundas. O bom é que é gradativo que ela vai ficando fundo.

Cascata do Trovão - Boqueirão do Leão

Se você for de Lajeado/Porto Alegre até ela, vai pegar uma boa parte estrada pavimentada, na região de Canudos do Vale e F0rquetinha. Mas se for de Boqueirão, pegará bastante estrada de chão (areia).

O acesso a ela é via trilha, e não há estacionamento para você deixar o seu carro. Terá que deixar na estrada mesmo e descer a trilha.

A trilha que leva até à base, demora  cerca de 20 minutos e possui algumas partes perigosas, como pedras escorregadias, travessia de rio, descidas ingrimes em meio à mata.

É bom você estar acostumado com trilhas, senão passará um breve sufoco.

Cascata do Trovão - Boqueirão do Leão

O local é público ou privado?

O local parece ser público, isso por que há placa posta pelo município, isso mostra que é um ponto turístico e de livre acesso.

Quanto custa?

Entrada sem custo, aí sim hein!!

Mas saiba que não há nenhuma infraestrutura, por conta disso, leve seu lixo embora consigo e pense no próximo que visitará o local.

Tem que fazer trilha? e como é?

Sim, é necessário fazer a trilha para chegar até  mesma. Não dá nem 1km, mas como toda cachoeira quase intocada, há partes bem chatas nesta trilha, então cuidado.

Duração: 20 min, aproximadamente.

localização

A Cascata do Trovão está mapeada no GPS (google maps), então basta pôr lá, bem tranquilo.

Quando você estiver chegando, terá uma placa ao lado da entrada da trilha.

Além deste atrativo, tem algum outro lugar para ir em Boqueirão do Leão?

Simm, Boqueirão do Leão é um município que tem várias quedas, você pode ir também na Cascata do Gamelão!

Este artigo foi útil para você?

Compartilhamos dicas e novos destinos para você explorar pelo Sul (RS,PR,SC).

Segue a gente no Instagram @vivalastrips, e fique por dentro de novos lugares para você pôr em sua listinha de viagens!

QUEM SOMOS

Somos uma agência de viagens localizada em Porto Alegre/RS  e  as nossas trips são focadas em trilhas e cachoeiras, o que chamamos hoje de ecoturismo ou turismo de aventura.  Os nossos roteiros são exclusivos e para lugares em que poucas pessoas conhecem. O nosso diferencial também é formar grupos pequenos, para você além de conhecer um lindo lugar, também interagir com os outros passageiros e fazer novos amigos.  Explore novos horizontes, invista em você, e venha viajar com a gente!

Esta beleza natural está localizada no município de Santa Maria do Herval, a 82 quilômetros de Porto Alegre. A cidade localiza-se na encosta da serra em meio a regiões montanhosas e com sua população em maioria de origem alemã. Além dos colonos alemães que viviam na cidade, muitos índios também residiam, em especial na Cachoeira e Caverna dos Bugres.

Informações da Caverna dos Bugres

Para se chegar até o atrativo, são cerca de 1h e 20 min desde Porto Alegre. A melhor maneira é indo pela BR-116, passando por Dois Irmãos/RS, Morro Reuter/RS e dobrando à direita, pela VRS-873, são cerca de 14 km até Santa Maria do Herval. 

Antes de chegar na Estrada da Boa Vista, terá uma placa após passar o Museu Municipal da cidade, uma placa indicara o acesso à Caverna dos Bugres, por uma estradinha à direita.

Após percorrer 450m, chega-se até a caverna e cachoeira. É mais uma das muitas que possuem no Rio Grande do Sul.

 

caverna dos bugres

História

Este nome foi dado pelos germânicos ao avistarem os indígenas, na época chamados de bugres, abrigados na caverna para se proteger do frio, dos ventos e das chuvas durante o período de inverno. Durante o período da colonização, até mesmo alguns conflitos ocorreram pelas terras.

Estes primeiros colonos passavam por muitas dificuldades pois o terreno era montanhoso; tiveram que lutar contra animais ferozes e os índios que habitavam a região. Por volta de 1844 chegaram os primeiros colonos à linha Herval onde hoje situa-se a sede do município, que apresentava um solo mais propício para o cultivo.

A Caverna dos Bugres atualmente é bem cuidada pela Prefeitura da cidade, há lixeiras no local, existem placas e bancos .

Em primeiro momento, a Caverna fica à direita, tendo acesso por um corrimão de madeira.

caverna dos bugres

Plaquinhas com uma câmera fotográfica sinalizam que é a hora de você tirar boas fotos e curtir a paisagem.

caverna dos bugres

Fazendo a volta, você chega até a beira da água da cachoeira. Suas pedras, a vegetação e sua queda d’água de cerca de 20 metros, deixam o cenário perfeito para você curtir a queda ou obviamente tirar mais algumas lindas fotos da cachoeira.

caverna dos bugres

Muitos gaúchos buscam em fazer a Rota Romântica, que liga São Leopoldo até São Francisco de Paula e passar na Caverna dos Bugres, é um presente deste percurso.